Voltar para  >  INICIAL

 

SOBRE A RÁDIO
- Quem somos
- Diretoria da rádio
- Chat

- Contato

 

CONHEÇA
- Música Clássica
- Música Sertaneja
- Música de Raiz

- Música Romântica
- Rock nacional

- MPB - História

- Samba

- Hip-Hop e Rap

- Grandes Orquestras

 

MAIS... Sobre musica

- Nossa Cultura Musical

- Musica Regional

- Recordar

- Música e Saúde

- Gentileza e bem estar

 

SOBRE O JORNAL
- A Gazeta Valeparaibana
- Fale conosco
-
Administração

- Redação

- Novos Autores

- Tribuna Popular

- Denúncias

- Correio Escola

BIBLIOTECA
- Biblioteca PDFs e artigos

COMPÊNDIOS
- Vale do Paraíba
- Litoral Norte Paulista
- Serrana Mantiqueira
- Região Bragantina

- Região Alto Tietê

- Manual Ecológico

 

====================

 

Reservado

 

Música regional do VALE DO PARAÍBA tem influência de vários ritmos e bons grupos e artistas realizam trabalho de qualidade

Catira, Moçambique, Folias de Reis, viola, bolinho caipira, taiada e marchinha.

Todos estes são componentes de uma cultura genuinamente Valeparaibana, presentes na música, na culinária e nos costumes da região.

O Vale do Paraíba sempre foi uma região de “entroncamento”, presente em todos os ciclos econômicos brasileiros.

Foi assim no ciclo do ouro, do café, do leite, tratamento de doenças, tecnologia de ponta, turismo ecológico e cultural.

A proximidade com o Sul de Minas, com o Litoral Norte e com a capital também foram fatores que ajudaram a formar nossa gente.

E como definir a música regional?

Segundo a jornalista Vana Allas, autora do livro “Vale, Violões e Violas - Uma Fotografia Musical do Vale do Paraíba”, “não temos como definir uma música regional pura, pois sofremos a influência de vários ritmos”, declara Vana.

“Eu percebi que existe algo na região que não é rock, pop, samba, mas que faz o coração bater mais forte quando a gente ouve”, disse a jornalista.

Elpídio dos Santos - O grupo Paranga, de São Luís do Paraitinga, é um dos pioneiros.
Nasceu na década de 70 com a determinação de defender e divulgar os valores culturais do Vale.

Sua música tem a influência dos ritmos locais, catira, moda de viola, Folia de Reis e Festa do Divino Espírito Santo.

Formado, em sua maioria por filhos do maestro Elpídio dos Santos, famoso por ser o autor da trilha sonora dos filmes de Mazzaropi, o grupo Paranga nasceu com o intuito de preservar a obra elpidiana.

Movimento de resistência - Em Paraibuna, nasceu em 1982, o grupo Rio Acima, um movimento político-cultural formado por Eduardo Rennó, Dimas Soares, João Rural e Mauro Campos.

“Nós tínhamos um certo discernimento e criamos esse movimento de resistência para lutarmos contra o caos econômico/social vivido na cidade, após terminadas as obras da represa”, declara o líder do grupo, Eduardo Rennó.

Hoje, Rennó, além das apresentações com o Rio Acima, dá suporte para novos grupos.

“Depois de vários anos, a gente já conhece a linguagem e muitas pessoas nos procuram. Também existem poucos produtores nesta área”, disse.

UMA HISTÓRIA DE AMOR, MÚSICA E AVENTURAS

A dupla Zezé e Simões se conheceu em São José dos Campos e firmou uma parceria de sucesso no amor e na música. São trinta anos juntos.

Nesta história contam-se vários festivais, andanças pelo Brasil e participações em projetos.

“Nas viagens nós colhemos do povo, o que depois devolvemos pela música”, declara Zezé.
A participação nos festivais é lembrada com saudosismo pela dupla. ”Era um espaço para troca de experiências”, confessa Zezé.

Sua música fala um pouco de cada lugar. “Falamos da Mantiqueira, das alegrias, enfim do povo”, resume.

Para o ano que vem, Simões lança um CD autobiográfico, com a participação de Zezé, com o nome “Garimpeiro da Lua”, pela Fundação Cultural Cassiano Ricardo.

GRUPO PIRAQUARA

Foi criado em 1987, com o objetivo de divulgar pesquisas sobre as manifestações populares, que envolvem cantos e danças da cultura tradicional Valeparaibana.

Ainda esse ano, o grupo lança um CD, com a participação de músicos da região que também participam do projeto como:
Zé Mira, Eduardo Rennó, Gabriela Delias, Zezé e Simões, Beto Jaguary, Julio Neme e Almir Melo.

EM BUSCA DA MÚSICA REGIONAL


Quando teve a idéia de escrever um livro, Vana Allas queria divulgar a riqueza musical existente no Vale do Paraíba.

Suas maiores dificuldades foram a seleção dos músicos que participariam do trabalho e também uma denominação específica para o tema, música regional.

Os trabalhos ganharam força com a ajuda do músico Eduardo Rennó (Rio Acima).

“Tem muita gente boa que ficou de fora, mas da maneira como o trabalho foi feito, abriu-se um espaço para que outros projetos aconteçam. Pretendo no futuro lançar outros volumes”, declara a jornalista.

Participam do livro e do CD que o acompanha: o grupo Paranga, Déo Lopes, Rio Acima, Zezé e Simões, Orquestra de Viola Caipira, Zé Mira, Beto Jaguary, Margareth Machado, Marcus Flexa e Renato Teixeira.

“No momento esses grupos pesquisados são os que mais se assemelham com a musicalidade regional. Com certeza no futuro serão outros. Mas, aí é que está a poesia, mudar sem perder a originalidade, mesmo que ela venha de vários lugares, presente na raiz de cada um”, conclui Vana.
 

   Editor Responsável: Filipe de Sousa

Formiguinhas do Vale 2005@ todos os direitos reservados